A tecnologia a serviço do tratamento do diabetes

A tecnologia a serviço do tratamento do diabetes

Desde o surgimento do primeiro medidor de glicose a partir do sangue da polpa digital, a tecnologia tem contribuído de forma rápida a serviço do tratamento do Diabetes. Estamos agora vivendo uma era em que as ferramentas disponíveis surgem a cada dia, o que contribui para o bom controle metabólico dos pacientes.

glicemia capilar2

A evolução dos smartphones foi um dos passos decisivos para o surgimento de uma série de ferramentas digitais que podem aproximar médicos e pacientes se utilizadas de forma ética e profissional. A consulta presencial não pode ser dispensada nem substituída pela tecnologia conforme o código de ética médica mas pode ser utilizada como coadjuvante no tratamento. Vários glicosímetros integram os monitores de glicose com a tecnologia bluetooth além de aplicativos com compartilhamento automático dos dados para “nuvem” possibilitando a checagem de informações e relatórios de qualquer computador ou dispositivo móvel.

A seguir destacamos as inovações mais recentes:

Sensor de monitoramento de glicose:

Em breve estará disponível no Brasil um aparelho inovador, um disco do tamanho de uma moeda que fica acoplado ao braço, com um cateter de plástico voltado para dentro da pele. Seu objetivo é medir a glicemia sem precisar furar o dedo, escaneando o aparelho no braço com um medidor.

SENSOR DE GLICOSE

Essa glicemia que é medida sem o uso de sangue é chamada de glicemia intersticial, que mede a quantidade de glicose do líquido das células que está em contato com o cateter. Esse dispositivo fica acoplado ao corpo por 14 dias trazendo mais conforto ao usuário, além de manter a medição glicêmica muita mais controlada. O principal benefício do aparelho novo é mostrar a tendência da glicemia instantaneamente, o que previne muitas hipo e hiperglicemias. A cada escaneamento o leitor mostra um gráfico com o passado, o presente e o futuro da glicose do paciente. O passado é apresentado por meio do histórico das últimas 8 horas. O presente é a glicose no momento do scan. E o futuro é mostrado por meio de uma seta que indica a tendência da glicemia. Aos final dos 14 dias são gerados vários gráficos que auxiliam o médico a fazer as modificações das doses de insulina e medicações de forma mais precisa.

 

Sistema de infusão subcutânea contínua de insulina (Bombas de infusão de insulina):

As bombas de infusão de insulina são equipamentos pequenos e portáteis que liberam insulina de ação rápida 24 horas por dia. Do tamanho aproximado de um pequeno telefone celular, as bombas de infusão liberam insulina através de um pequeno tubo e uma cânula colocados sob a pele. A quantidade de insulina liberada pode ser adaptada para satisfazer as necessidades individuais dos pacientes. A novidade atual são as bombas com suspensão automática da infusão de insulina em caso de hipoglicemia. Através de um algoritmo, o equipamento é capaz de fazer uma previsão do que irá acontecer meia hora antes com sinalização para que o paciente tome suas providências e evite um quadro grave de hipoglicemia.

Pâncreas artificial:

Os estudos para a criação de um “pâncreas artificial” já fazem 10 anos. Esse equipamento consiste de um sensor de glicose subcutâneo que monitora os níveis de glicose no sangue, uma bomba de insulina e um controlador que é o “cérebro” do aparelho. O objetivo final é que os aparelhos trabalhem sozinhos, independentemente do ser humano. O projeto DREAM (Diabetes Research, Education and Action for Minorities) formado por representantes da Alemanha, Israel e Eslovênia já estudou 24 pacientes com esse aparelho e os resultados são promissores. Não existe ainda uma projeção de data de lançamento mas estamos no caminho.

Cirurgia Bariátrica

Cirurgia Bariátrica

Indicações de cirurgia bariátrica

CFM

O Conselho Federal de Medicina (CRM) divulgou recentemente a Resolução nº 2.131/15 que aumenta o rol de problemas de saúde (comorbidades ) provocados pela obesidade que tem indicação de Cirurgia Bariátrica para pacientes com IMC entre 35kg/m² e 40kg/m².

O IMC é calculado dividindo-se o peso pela altura elevada ao quadrado (IMC = peso / altura x altura). Desde 1991, existe consenso internacional de que a cirurgia bariátrica tem as seguintes indicações gerais: IMC maior ou igual a 40; IMC maior ou igual a 35, quando houver estados mórbidos associados , falha no tratamento clínico após 2 anos e obesidade grave instalada há mais de 5 anos.

No documento atual foram acrescidas, entre outros tópicos, mais 21 doenças associadas à obesidade como: diabetes, apneia do sono, hipertensão arterial, dislipidemia, doenças cardiovasculares incluindo doença arterial coronariana, infarto de miorcárdio, angina, insuficiência cardíaca congestiva , acidente vascular cerebral, hipertensão e fibrilação atrial, cardiomiopatia dilatada, cor pulmonale e síndrome de hipoventilação, asma grave não controlada, osteoartroses, hérnias discais, refluxo gastroesofageano com indicação cirúrgica, colecistopatia calculosa, pancreatites agudas de repetição, esteatose hepática, incontinência urinária de esforço na mulher, infertilidade masculina e feminina, disfunção erétil, síndrome dos ovários policísticos, veias varicosas e doença hemorroidária, hipertensão intracraniana idiopática (pseudotumor cerebri), estigmatização social e depressão.

O texto também esclarece que entre as precauções para a indicação da cirurgia estão a ausência de transtorno de humor grave, de quadros psicóticos em atividade ou de quadros demenciais. A versão anterior elencava a ausência de quadros psicóticos ou demenciais graves ou moderados. Essa resolução é importante pois eventuais doenças psiquiátricas associadas ao paciente obeso não são contra a indicação de cirurgia e agora estão bem descritas.

Na nova Resolução ainda estão incluídas alterações na idade mínima para a realização da operação. “Antes pacientes entre 16 e 18 anos podiam fazer a cirurgia, desde que a relação custo/benefício fosse analisada. Agora, foi acrescido ao texto a presença de um pediatra na equipe multidisciplinar e a consolidação das cartilagens das epífises de crescimento dos punhos. Em menores de 16 anos a cirurgia será permitida somente em caráter experimental e dentro de protocolos de pesquisa, segundo o CFM.
Pacientes com mais de 65 anos poderão fazer a cirurgia bariátrica, desde que respeitadas as condições gerais e após avaliação do risco/benefício.
Outro ponto da nova Resolução é a indicação de técnicas cirúrgicas, valendo para a banda gástrica ajustável, a gastrectomia vertical, derivação gastrojejunal e Y de Roux e cirurgia de Scopinaro ou de ‘switch duodenal’. Na Resolução, está descrito que qualquer outro tipo de cirurgia passa a ser considerada como experimental e para ser realizada necessita de aprovação de estudo específico junto à Comissão Nacional de Ética em Pesquisa.

A PREVENÇÃO DA OBESIDADE CONTINUA SENDO O MELHOR CAMINHO.

MUDE HÁBITOS!! ALIMENTAÇÃO EQUILIBRADA E EXERCÍCIOS FÍSICOS REGULARES SEMPRE!!

Dicas de alimentação saudável

Dicas de alimentação saudável

Crie o hábito:

– Coma devagar, mastigando bem o alimento

– Distribua suas refeições ao longo do dia: três maiores – café da manhã, almoço e jantar – e três complementares – lanche da manhã, da tarde e da noite;

– Consuma apenas um tipo de carboidratos por refeição: batata ou arroz ou massa ou mandioca ou pão…

– Massas, pães e biscoitos feitos com farinha de trigo integral em quantidades moderadas;

– Alimentos ricos em fibras como cereais integrais, legumes, verduras e frutas com bagaço e leguminosas como feijões, lentilha, ervilha e grão-de-bico;

– Gorduras monoinsaturadas – abacate, gergelim e óleo de oliva, milho, girassol e canola;

– Gorduras poli-insaturadas – peixes, soja, grãos e óleo de peixe;

– Amêndoas, nozes e castanhas em pequenas quantidades – duas a quatro ao dia;

– Leite desnatado e derivados como ricota, queijo cottage, coalhada e iogurtes magros;

– Sal com moderação e temperos naturais

– Carnes brancas

Evite!!

– Pular refeições

– Consumir em excesso:

  • álcool, refrigerantes
  • calorias “vazias”com alto índice glicêmico como massas, pães, bolos e biscoitos feitos com farinha e açúcar refinado
  • frutas muito calóricas : caqui, manga e jaca

– Frituras

– Defumados e embutidos

– Gorduras saturadas – óleo e banha de coco, óleo de algodão, óleo de dendê, banha de porco, carnes gordas e laticínios integrais

– Gorduras trans – gorduras hidrogenadas presentes na margarina e em vários alimentos processados

 

Importante: siga as recomendações médicas e consulte-se com um nutricionista para adequar sua alimentação às suas necessidades.

Exame de bioimpedância (BIA)

Exame de bioimpedância (BIA)

Esse exame avalia o percentual de gordura, percentual de massa magra e hidratação, permitindo calcular a faixa ideal de peso para o indivíduo de acordo com a sua composição corporal.

A BIA é um método não invasivo, rápido, com boa sensibilidade, indolor, usado para avaliar a composição corpórea, baseado na passagem de uma corrente elétrica de baixa amplitude (500 a 800 mA) e de alta freqüência (50 kHz), e que permite mensurar os componentes resistência (R), reatância (Xc), impedância (Z) e ângulo de fase.
Quanto maior é o percentual de gordura, maior é a dificuldade para a corrente elétrica atravessar o corpo. A bioimpedância é útil para informar o percentual de gordura em sua totalidade, ou seja, mede tanto a gordura que está debaixo da pele como a gordura que está entre os órgãos. As medidas freqüentes das dobras cutâneas com um adipômetro de precisão complementam as informações da bioimpedância.

O aparelho calcula:

  • Real % Gordura Corporal e Peso em Gordura
  • % de massa magra e massa magra corporal
  • % massa magra e gordura por segmento corporal
  • Peso total
    •% Água Corporal
  • Taxa Metabólica Basal (TMB) – Quanto você gasta em calorias por dia.
  • Índice de Massa Corporal

Para realizar o exame, é necessário tomar algumas medidas para evitar erros de análise :

Suspender o uso de medicamentos diuréticos de 24 horas a 48h antes do teste

Estar em jejum de pelo menos 4 horas

Estar em abstinência alcoólica por 24 a 48 horas

Evitar o consumo de cafeína 24 horas antes do teste

Estar fora do período pré menstrual

Não ter praticado atividade física intensa nas últimas 24 horas

Urinar pelo menos 30 minutos antes da medida

Permanecer pelo menos 5 -10 minutos de repouso absoluto em posição de decúbito dorsal antes de efetuar a medida

Contra-Indicação absoluta para a realização do teste: portadores de marcapasso e gestantes

Recomenda-se beber 2 litros de água no dia anterior. O nível de desidratação e a temperatura ambiente também podem apresentar alguma influência na qualidade das informações.